Índice
Página Anterior Governança Corporativa
Próxima Página Indicadores de desempenho
GRI EC9

Desempenho Econômico

O ano de 2013 foi marcado por grandes desafios e uma intensa volatilidade nos principais indicadores, fruto de um ambiente de incertezas socioeconômicas no país. No setor elétrico, a Medida Provisória nº 579/2012, posteriormente convertida na Lei nº 12.783/2013, ocasionou uma forte queda de receita para as empresas de geração e transmissão e a necessidade de uma readequação dos negócios, com esforços concentrado na redução de gastos.

Dentro desse cenário, em 2013 a Chesf registrou um prejuízo de R$ 466,1 milhões, contra R$ 5.341,3 milhões em 2012. A receita operacional bruta atingiu o montante de R$ 4.787,4 milhões, uma redução de 31,6% em relação aos R$ 7.001,4 milhões de 2012. Já a receita operacional líquida, que considera as deduções de impostos e encargos setoriais, registrou uma diminuição de -31,6% (-R$ 1.897,5 milhões) em relação ao ano de 2012, atingindo R$ 4.098,5 milhões em 2013.

GRI EC1 | EC9

Demonstração do Resultado dos exercícios terminados em 31 de dezembro de 2013 e 2012

(valores expressos em milhares de reais)
31/12/2013 31/12/2012
Receita Operacional Líquida 4.098.483 5.996.028
Custo com energia elétrica
Energia elétrica comprada para revenda (682.356) (19.058)
Encargos de uso da rede de transmissão (796.324) (867.885)
Custo de operação
Pessoal, material e serviços de terceiros (404.274) (407.887)
Combustíveis para a produção de energia (730.443) (2.522)
Compensação financeira pela utilização de recursos hídricos (19.504) (240.074)
Depreciação e amortização (37.702) (339.815)
Provisão (reversão) contrato oneroso 869.305 (711.375)
Outros 30.939 12.942
(1.770.359) (2.575.674)
Custo do Serviço Prestado a Terceiros (1.308) (5.371)
Custo de construção (939.590) (603.420)
Lucro Bruto 1.387.226 2.811.563
Despesas Operacionais (2.597.709) (1.278.418)
Resultado do Serviço de Energia Elétrica (1.210.483) 1.533.145
Resultado de Equivalência Patrimonial 65.378 46.521
Resultado Financeiro 416.247 216.261
Acesse as informações completas sobre as demonstrações financeiras societárias e as demonstrações financeiras regulatórias na área de Relações com Investidores do portal da Chesf
www.chesf.gov.br/portal/page/portal/chesf_portal/paginas/investidores

Distribuição de riqueza (R$ mil) Δ % (2013x2012) 2013 2012
Empregados 4.098.483 5.996.028 5.996.028
Governos 45,6 466.709 320.519
Financiadores (55,2) 77.470 172.792
Acionistas (91,3) -466.066 -5.341.312
Lucros retidos - - -
TOTAL (136,2) 1.493.102 -4.124.736

Custos e despesas operacionais

Os custos e despesas operacionais somaram R$5.309 milhões em 2013, +19% em relação ao ano anterior. Este aumento reflete, principalmente, as seguintes variações: +78,5% com pessoal, em razão do Plano de Incentivo ao Desligamento Voluntário(PIDV), +55,7% nos custos de construção, aumento de R$ 663,3 milhões em energia elétrica comprada para revenda em relação a 2012, aumento de R$ 727,9 milhões em combustível para a produção de energia em relação a 2012.

GRI 2.7 | EN2 | EN3 | EU1 | EU2 | EU4 | EU12

Mercado de energia

A energia elétrica total consumida em 2013 no Brasil atingiu 463.740 GWh e representou um acréscimo de 3,5% quando comparada de 2012. Entre as classes de consumo, destaque para o desempenho da residencial e comercial, que cresceram 6,1% e 5,7%, respectivamente. Juntas, elas representam cerca de 45% do consumo total.

A classe industrial, por outro lado, apresentou pouco avanço em relação a 2012, com uma variação de apenas 0,6%. Esse desempenho reflete a fraca atividade de setores como o eletro intensivo, representado pela metalurgia e extração mineral, com retração na produção de alumínio e extração de minério de ferro, localizados nas regiões Norte, Nordeste e Sudeste do país.

Já as projeções divulgadas pela Empresa de Pesquisa Energética12 (EPE), apresentam crescimento no consumo nacional de energia elétrica, nas regiões atendidas pelo Sistema Interligado Nacional (SIN), da ordem de 4,1% ao ano, para o período 2013-2022. Este desempenho está sustentado pela expansão anual das classes comercial (5,8%), residencial (4,3%) e industrial (3,4%).

Para os próximos anos, o prognóstico é de que a classe comercial aumente sua participação de 18,05% em 2013, para 20,7% em 2022, enquanto que a residencial, mesmo apresentando taxa significativa de crescimento, reduza sua participação no consumo total de 27% em 2013 para 26,5% em 2022. O consumo da classe industrial também deve registrar queda na sua importância relativa, variando a participação de 39,8% em 2013 para 38,3% em 2022.

12. Empresa pública vinculada ao Ministério de Minas e Energia. Atua na prestação de serviços na área de estudos e pesquisas destinadas a subsidiar o planejamento do setor energético.

Em 2013, foi dada continuidade à implantação de melhorias nos sistemas de transmissão e geração, com a substituição de equipamentos obsoletos, digitalização de sistemas de proteção e instalação de novos dispositivos de supervisão e controle do sistema. Ainda em 2013, a Chesf atuou no monitoramento e gestão do consumo de energia elétrica de suas instalações e desenvolveu 25 Projetos de Melhorias em Eficiência Energética (PMEE). Destes, 17 foram elaborados em sistemas de iluminação e oito associados a climatização de instalações ligadas a operação. Os benefícios irão contribuir para a elevação dos resultados empresariais e favorecer a ampliação da oferta de energia e da segurança operativa.

Para reforçar sua rede de telecomunicação, a empresa disponibilizou novos suportes e serviços ao sistema de transmissão óptico digital, destacando-se a ativação da Rota Sudoeste da Bahia e as novas localidades de Arapiraca, Pecém II e Aquiraz II, implicando em significativas mudanças nas configurações das arquiteturas de telecomunicações das subestações interligadas. Também foram implantadas adequações nas Redes de Serviços de Voz e Dados voltadas para as aplicações técnico-operacionais e corporativas da empresa, possibilitando serviço de telefonia VoIP13 (Voz sobre IP).

Quanto ao Plano Nacional de Banda Larga (PNBL)14 do Governo Federal, foram concluídos os retrofits15 e as adequações que permitiram liberar as fibras ópticas e infraestrutura para as estações da Telebras na rota Camaçari – Eunápolis, complementando as já liberadas anteriormente (Presidente Dutra – Fortaleza – Natal – Campina Grande – Recife – Xingó – Jardim (Aracaju) – Camaçari – Salvador) e viabilizando os suportes necessários para atender as transmissões dos sinais destinados para a Copa das Confederações a partir das imagens geradas nos estádios de Fortaleza, Recife e Salvador.

13. Método que transforma sinais de áudio analógicos, como os de uma chamada telefônica, em dados digitais que podem ser transmitidos pela internet ou de qualquer outra rede de computadores. Uma das vantagens desse modelo é tornar as ligações telefônicas gratuitas.
14. Iniciativa do Governo Federal para massificar o acesso à internet em banda larga no país, principalmente nas regiões mais carentes da tecnologia.
15. Renovação, atualização

Certificações

Em 2013, a Chesf recebeu as seguintes certificações relativas ao Sistema de Gestão da Qualidade ISO 9001:2008

  • Departamento de Manutenção de Linhas de Transmissão (DML)
  • Serviço de Manutenção de Subestações Sul (SSSS)
  • Serviço de Manutenção de Linhas de Transmissão de Salvador (SSLS)
  • Serviço de Manutenção de Milagres (SNMM)
  • Serviço de Manutenção de Linhas de Transmissão de Paulo Afonso (SPML)
  • Serviço de Manutenção de Funil (SSMF)

Já os seguintes órgãos mantiveram sua certificação ISO 9001:2008

  • DServiço de Manutenção de Linhas de Transmissão de Sobradinho (SBML)
  • Centro de Análise e Manutenção de Óleo (COAM)
  • Centro de Ensaios e Instrumentação do Sistema de Transmissão (COES)
  • Centro de Reparo de Equipamentos de Subestações (CORE)
  • Serviço de Manutenção de Subestações de Paulo Afonso (SPMS)
  • Serviço de Manutenção de Aracaju (SSMA)
  • Serviço de Manutenção de Subestações de Fortaleza (SNSF)

Participação em Sociedades de Propósito Específico

Além do parque de geração e do sistema de transmissão próprios, a Chesf participa de vários empreendimentos por meio de Sociedades de Propósito Específico (SPEs). Em 2013, foram formadas 34 novas parcerias para a construção e operação de usinas de geração hidráulica e de geração eólica que terão capacidades instaladas de 15.644,1 MW e 1.015,4 MW (a participação da Chesf totaliza 2.596,9 MW e 497,5 MW, respectivamente). Já os empreendimentos de transmissão são compostos por 4.175 km de linhas em serviço e 1.121,5 km de linhas de transmissão em construção.

Avalie este Relatório






(Não é necessário identificar-se)

topo